12/06/2018

A Reforma Protestante e as Missões



Por Ronaldo Lindório ( Dr. em Antropologia e missionário transcultural)


A Reforma Protestante, desencadeada com as 95 teses de Lutero e divulgadas em 31 de outubro de 1517, foi, sobretudo, eclesiástica, em um momento em que todos os olhares se voltavam para a reestruturação daquilo que a Igreja cria e vivia. Renasceram, assim, os dogmas evangélicos. A Sola Scriptura defendia uma Igreja centrada nas Escrituras, a Palavra de Deus; a Sola Gratia reconhecia a salvação e a vida cristã fundamentadas na graça do Senhor e não nas obras humanas; a Sola Fide evocava a fé e o compromisso de fidelidade com o Senhor Jesus; a Solus Christus anunciava que o próprio Cristo estava construindo sua Igreja na terra, sendo seu único Senhor; e a Soli Deo Gloria enfatizava que a finalidade maior da Igreja era glorificar a Deus.
A missão da Igreja, sua Vox Clamantis (“a voz que clama”), não fez parte dos temas defendidos e pregados na Reforma Protestante de forma direta. Isto por um motivo óbvio: os reformadores, como Lutero, Calvino e Zuínglio, possuíam em suas mãos o grande desafio para reconduzir a Igreja à Palavra de Deus e, assim, todos os escritos foram revestidos de uma forte convicção eclesiológica e sem preocupação imediata com a missiologia. Isto não dilui, entretanto, a profunda ligação entre a Reforma Protestante e a obra missionária por alguns motivos. Vejamos:

08/05/2018

Espiritualidade e missão.


Por Ronaldo Lindório ( Dr. em Antropologia e missionário transcultural)


A ligação entre a espiritualidade cristã (como seguimos a Cristo) e a missão (como O servimos) é um assunto que carece de frequente reflexão, especialmente quando o abismo entre a fé e a vida parece crescer. Em nossos dias há um claro descompasso entre o conhecimento adquirido – bíblico e teológico – e o cumprimento da missão.
John Knox já nos alertou que a ponte entre o conhecimento e a transformação é o quebrantamento. Ou, em outras palavras, a única maneira de traduzirmos o que cremos, ouvimos e pregamos para a forma como vivemos é passando por um quebrantamento de coração.

03/04/2018

Restaurando o ardor missionário.




Por Ronaldo Lindório ( Dr. em Antropologia e missionário transcultural)

Queridos, é um prazer estar com vocês hoje nesta tentativa de, juntos, aprender e compreender um pouco mais da visão e do sonho de Deus para nós e também para sua igreja. Vamos abrir nossas Bíblias em Apocalipse 3:15 a 17 e falar sobre a igreja e sua missão, partindo do pressuposto de que nem toda visão do homem de Deus é, necessariamente, a visão de Deus. E se isso é verdade, nem toda visão da igreja de Deus é necessariamente a visão de Deus.


Se vocês concordam comigo, o homem não tem a visão completa da sua missão, nem a igreja o tem, nós precisamos buscar na fonte, que é o próprio Deus, e devemos entender não apenas as expectativas dEle, mas devemos entender os critérios que Deus colocou para que sua igreja pudesse ser sal da terra e luz do mundo.

Parte destes critérios nós podemos encontrar em Apocalipse 3:15 a 17. Esta carta de Jesus à igreja de Laodicéia, sabemos que faz parte de um conjunto de sete cartas, escritas por Jesus à sua igreja e, apesar de termos esta visão escatológica de Apocalipse, eu gostaria de lhes propor de olharmos para ele como um livro, não apenas escatológico e que tem a ver sobre sinais do fim, mas como um livro também existencial, que tem a ver sobre princípios de vida para minha existência, para sua história pessoal e para a vida da igreja hoje no século XXI.

28/03/2018

A origem, natureza, propriedade e uso da lei


Por Reverendo John Wesley 

'E assim a lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom'.
(Romanos 7:12)

1. Talvez, existam poucos assuntos, nos quais toda a extensão da religião seja tão pouco entendida como este. Usualmente, se diz ao leitor desta Epístola, que, através da lei, Paulo quer dizer, a Lei Judaica; e, assim, entendendo que ele mesmo não tem interesse nela, seguindo em frente, sem maiores preocupações a seu respeito. De fato, alguns não estão satisfeitos com este relato; mas observando a Epistola, que é dirigida aos romanos, inferimos que o Apóstolo, no início desse capítulo, alude à Lei romana antiga. Mas como eles não têm mais preocupação com esta, do que com a lei cerimonial de Moisés, então, eles não gastam muito tempo, no que eles supõem seja ocasionalmente mencionado, meramente para ilustrar uma outra coisa.

11/02/2018

Ética e esperança na igreja do Brasil.




Por Pastor e Teólogo Ariovaldo Ramos 

" Vós não sabeis de que espírito sois. " disse Jesus em Lc 9.55, aos irmãos Tiago e João, que, quando perceberam que uma aldeia de Samaria se recusava a permitir a passagem de Jesus, perguntaram-lhe se gostaria que pedissem ao Pai que mandasse fogo do céu para destruir aquela vila. Jesus explicou que o filho do homem não veio para destruir a alma dos homens, mas para salvá-los. 

02/01/2018

Missão Integral





 Por Fabrício Roger de Souza Lopes 
(Trecho do trabalho de conclusão de curso). Faculdade Metodista de SP.
  
Em meio a um período conturbado da história recente da América Latina, quando nosso continente foi sacudido por profundas convulsões políticas, ideológicas e sociais, muitos cristãos  aderiram  à  agenda   da  Teologia  da Libertação. A Fraternidade Teológica Latino-Americana tem feito um esforço sério no sentido de apresentar uma alternativa a essa teologia que fosse bíblica, evangélica e igualmente radical em suas implicações.

Eles demonstraram que as igrejas podem permanecer fiéis às suas convicções históricas e, ao mesmo tempo, adotar uma postura  ousada  e  coerente  em  relação aos  problemas  sociais.

08/12/2017

Credo Social Metodista!




Igreja Metodista do Brasil.

I - NOSSA HERANÇA
1- A Igreja Metodista afirma sua responsabilidade cristã pelo bem-estar integral do homem como decorrente de sua fidelidade à Palavra de Deus expressa nas Escrituras do Antigo e Novo Testamentos.

2- Essa consciência de responsabilidade social constitui parte da preciosa herança confiada aos metodistas pelo testemunho histórico de João Wesley.

3- O exercício dessa missão é inseparável do Metodismo Universal ao qual está vinculada a Igreja Metodista por unidade de fé e relações de ordem estrutural estabelecidas nos Cânones.

4- A Igreja Metodista participa dos propósitos de unidade cristã e serviço mundial, do Conselho Mundial de Igrejas.

5- No presente século de gigantesco progresso científico e tecnológico, a Igreja Metodista reafirma a verdade proclamada por João Wesley no século XVIII na Inglaterra: “Vamos unir ciência e piedade vital há tanto tempo separadas”.

15/11/2017

O grande avivalista que não se deixou dominar pelo dinheiro.



 Por Elesha Coffman. É professora de história da igreja.
 Fonte: Revista Cristianismo Hoje 
Na infância, Wesley conheceu a pobreza. Samuel, seu pai, era pároco anglicano em uma das paróquias que pagava menos na Inglaterra e tinha nove filhos para alimentar e vestir. John via sempre o pai endividado e certa vez o viu ser preso por causa de dívidas. Quando decidiu seguir o ministério não tinha ilusões quanto às suas recompensas financeiras.
 Entretanto Wesley não enfrentou a mesma pobreza de seu pai. Em vez de se tornar o pregador de uma paróquia, sentiu a orientação de Deus para dar aulas da Universidade Oxford. Foi eleito membro da Lincoln College e sua situação financeira mudou completamente.
Passou a receber no mínimo 30 libras por ano - mais do que suficiente para sustentar um homem solteiro naquela época. Parece que apreciou sua relativa prosperidade enquanto dava aulas, gastando o dinheiro com futilidades.
Um fato ocorrido em Oxford alterou sua perspectiva do dinheiro. Havia acabado de comprar quadros para seu quarto quando uma das camareiras bateu à sua porta. Era inverno e ele reparou que ela só tinha um vestido fino de linho para protegê-la do frio. Enfiou a mão no bolso para dar-lhe dinheiro para comprar um casaco e descobriu que sobrara muito pouco. Entendeu, então, que Deus não estava contente com a forma como gastava seu dinheiro. Perguntou a si mesmo:
Será que teu Mestre dirá: "Bem está, servo bom e fiel?". Adornaste tuas paredes com o dinheiro que poderia ter protegido essa pobre criatura do frio"! Ó justiça! Ó misericórdia! Esses quadros são o sangue dessa pobre empregada (trecho de Sobre roupas).

31/10/2017

Estevão


Por: Martinho Lutero líder da Reforma Protestante. (500 anos de Reforma Protestante! )
O texto epistolar não parece ser difícil; está claro. Apresenta em Estêvão um exemplo da fé de Cristo. Pouco comentário é necessário. Faremos um breve exame. O primeiro princípio que ensina é que não podemos assegurar o favor de Deus erguendo igrejas e outras instituições. Estêvão deixa este fato evidente com sua citação de Isaías.
Contudo, não devemos ser levados a concluir que é errado cons­truir e aparelhar igrejas. Mas é errado ir ao extremo de perder a fé e o amor na execução do empreendimento, presumindo com isso que fazer boas obras merece o favor de Deus. Resulta em abusos que impedem toda a moderação. Todo canto e recanto está cheio de igre­jas e conventos, independente do objetivo que temos em construir igrejas.
Não há outra razão para construirmos igrejas senão proporcionarmos um lugar onde os cristãos se reúnam para orar, ouvir o Evangelho e receber os sacramentos, se é que há uma razão. Quando as igrejas deixam de ser usadas para esse propósito, devem ser demolidas, como o são os outros edifícios quando não servem para mais nada. Como é agora, o desejo de todo indivíduo no mundo é estabelecer a própria capela ou altar, até a própria missa, com vistas a garantir a salvação, de comprar o céu.

06/09/2017

"Parece, mas não é"




Por Pastor e Teólogo Ariovaldo Ramos

Há textos estranhos nas escrituras sagradas.
Que pairam sobre nós, qual espada de Dâmocles, como um desafio e uma advertência.
Conclamam-nos à sabedoria e à admissão de nossa incompetência como juízes.
Os textos abaixo, por exemplo, poderiam ser classificados de: parece, mas não é!

1Co 3.15 “Se a obra de alguém se queimar, sofrerá ele prejuízo; mas o tal será salvo, todavia, como que pelo fogo.”

18/08/2017

Os Metodistas!



    Por Fabio Alves

Pense numa nação onde a crise social esta em cada esquina. Uma nação sem saúde pública, sem educação pública com trabalhadores que fazem jornadas de até 16 e 12 horas por dia sem nenhuma garantia.  Pense em crianças que estão pelas ruas abandonadas. Pense num número grande de viciados em bebidas alcoólicas, violência contra mulheres e crianças. Pense em governantes corruptos que legislam em causa própria e em favor de uma elite social corporativa e extremamente insensível que acumula fortunas com práticas sociais aviltantes e inescrupulosas. Os mesmos que facultam o poder sobre os meios de produção e sobre seres humanos privando todos os cidadãos dos meios de subsistência. Pense numa imprensa manipuladora e numa igreja e lideres religiosos que acham que os menos afortunados estão nesta condição porque Deus os abandonou ou por conta de seus pecados. Pense que tal raciocínio para nosso espanto não parte do povo, mas do púlpito.

01/07/2017

Andando com Deus



Por Reverendo George Whitefield

Gn 5.24 “E andou Enoque com Deus e já não era; pois Deus o tomou para si”.

São várias as desculpas e razões nas quais os homens de mente depravada amiúde insistem para não prestarem obediência aos justos e santos mandamentos de Deus. Porém, talvez uma das objeções mais frequentes que fazem é esta, que os mandamentos de nosso Deus não são praticáveis porque são contrários à carne e ao sangue; por conseguinte, ele é um Deus severo, “ceifando onde não semeou e ajuntando onde não espalhou”. Descobrimos que esses eram os sentimentos nutridos por aquele mau e negligente servo mencionado no capítulo 25 do Evangelho de S. Mateus, e sem dúvida é o mesmo sentimento cultivado pela geração má e adúltera de hoje. O Espírito Santo, já prevendo isso, teve o cuidado de inspirar homens santos da Antiguidade, para que registrassem exemplos de muitos homens e mulheres santos, os quais, mesmo debaixo da dispensação do Antigo Testamento, foram capazes de alegremente tomar sobre si o jugo de Cristo, e de considerar o serviço dele como perfeita liberdade.