08/10/2009

O Melhor jejum!


Por Fabio Alves

“Porventura, não é este o jejum que escolhi: que soltes as ligaduras da impiedade, desfaças as ataduras da servidão, deixes livres os oprimidos e despedaces todo jugo? Porventura, não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres desabrigados, e, se vires o nu, o cubras, e não te escondas do teu semelhante? Então, romperá a tua luz como a alva, a tua cura brotará sem detença, a tua justiça irá adiante de ti, e a glória do SENHOR será a tua retaguarda;  então, clamarás, e o SENHOR te responderá; gritarás por socorro, e ele dirá: Eis-me aqui. Se tirares do meio de ti o jugo, o dedo que ameaça, o falar injurioso;  se abrires a tua alma ao faminto e fartares a alma aflita, então, a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio-dia.”
São diversas as razões pelas quais a Igreja jejua: para recebermos unção e sermos cheios do Espírito Santo (At 1.14; 2.1-4); para termos autoridade sobre os demônios (Mt 17.21), sendo que todas elas são bíblicas e são praticadas pelo povo de Deus.

Contudo, pela boca do profeta Isaías (significado do nome: “Javé salvou”), o Senhor proclamou o jejum escolhido por Ele; Vemos em Isaías 58 que o verdadeiro propósito do jejum não é apenas se abster de alimentos, mas sim praticar a justiça com todos, alimentar o faminto, vestir o nu, cuidar dos empobrecidos e necessitados, afinal "em verdade vos afirmo que, sempre que fizestes o bem a um destes pequeninos do Senhor, ao próprio Senhor estarão fazendo".
Desse modo é preciso que hoje clamemos a plenos pulmões, não nos detenhamos em questões periféricas, mas sim ergamos a voz como a trombeta e anunciemos ao povo de Deus a sua negligência (Is 58.1). E ainda oremos para que Deus levante seus profetas perante a ONU, chamando a atenção do mundo e especialmente dos países ricos (G8), afim de que estes se dediquem mais a ajuda humanitária. São os ricos que devem pagar pela crise que eles criaram!
De acordo com Josette Sheeran, diretora-executiva do Programa Alimentar da ONU, se fosse investido menos de 1% de tudo o que foi gasto para conter a crise econômica mundial, o problema da fome no mundo seria solucionado. Enquanto o governo salvava empresas multinacionais, milhões de famintos morrem de fome em todo mundo!
É estarrecedor saber que para salvar o capitalismo mais de 1 bilhão de pessoas passam fome no mundo e não recebem nem 1% dos recursos utilizados. Nisso vemos que estamos vivendo uma crise mundial de valores éticos, onde a vida humana tem sido vilipendiada e a Igreja muitas vezes tem adotado uma posição escapista diante da realidade, negando o seu papel fundamental de ser sal e luz no mundo, isto é, exercer influência nesse mundo propondo que a busca por uma economia solidária seja imperativo diante de tamanhas desigualdades.
"O SENHOR É JUSTO JUIZ E OS SEUS OLHOS CORREM TODA TERRA"

Um comentário:

Manuel Vaz disse...

A igreja precisa desta visão.

Postar um comentário