29/05/2011

Filhos de Deus!

 
 Por Fabio Alves

Talvez tudo o que você viu aqui seja novo para você. Nesse momento gostaríamos de falar sobre como se transformar em um filho de Deus. A Bíblia diz que todo aquele que invocar o nome do Senhor Jesus será salvo. O que será invocar o nome do Senhor? E o que é ser salvo
Invocar o nome do Senhor significa reconhecer que Ele é Senhor de todas as coisas e entregar nossa vida em suas mãos para que Ele controle
Invocar o nome do Senhor é reconhecer na pessoa de Jesus Cristo o único caminho, a única verdade e a única fonte de vida.
Invocar o nome do Senhor significa aceitá-lo como único e suficiente salvador, crer Nele com todo o seu coração, com toda sua alma e com toda a sua força.
Ser salvo é receber a graça de Deus, que nos é concedida na pessoa de Jesus Cristo, mediante a FÉ.
"Qual é a fé mediante a qual somos salvos?
1. Em primeiro lugar, não é meramente a fé dos pagãos.
Deus exige que o pagão creia que “Deus existe e que é remunerador dos que o buscam”; que essa procura diligente se faça, glorificando-o como a Deus, dando-lhe graças por todas as coisas e praticando cuidadosamente a virtude moral, a justiça, a misericórdia e a verdade para com seus semelhantes. O grego ou o romano, o cita ou o indiano, não teria, portanto, nenhuma desculpa, se não acreditasse suficientemente nisto: o Ser e atributos de Deus, o estado futuro de recompensa ou punição e o caráter obrigatório da virtude moral. Este é simplesmente o credo de um pagão.
2. Não é, também, em segundo lugar, a fé do demônio, embora ela vá multo além da dos pagãos. O demônio crê não somente que há um Deus poderoso e sábio, gracioso no recompensar e justo no punir, mas também crê que Jesus é o Filho de Deus, o Cristo, o Salvador do mundo. Encontramo-lo, de fato, declarando, em termos categóricos: “Bem sei quem és: tu és o Santo de Deus” (Lc 4.34). Nem podemos duvidar de que o infeliz espírito creia em todas as palavras que saíram dos lábios do Santo e mais em quaisquer outras que foram escritas pelos homens santos do passado, acerca de dois dos quais ele fora compelido àquele glorioso testemunho: “Estes homens são servos do Altíssimo, que vos mostram o caminho da Salvação”. Não é demais, pois, que o grande inimigo de Deus e dos homens creia e, crendo, estremeça, – que Deus se manifestou em carne; que “submeterá todos os inimigos debaixo dos pés”; e que “toda Escritura foi dada por inspiração de Deus”. Até aí vai a fé do demônio.
3. Em terceiro lugar: a fé mediante a qual somos salvos, no sentido em que a Palavra será mais adiante explanada, não é meramente a que nutriam os apóstolos, quando Cristo estava ainda sobre a terra, muito embora nele cressem a ponto “de deixarem tudo para segui-lo”; embora tivessem já nesse tempo o poder de operar milagres, de “curar todas as espécies de doença e toda forma de enfermidade”; embora tivessem “poder e autoridade sobre os demônios”, e, o que vale mais que tudo isso, fossem enviados por seu Mestre a “pregar o Reino de Deus”.
4. Qual é a fé mediante a qual somos salvos? Pode-se responder, de modo geral, que é, primeiro, a fé em Cristo: Cristo e Deus através de Cristo são os próprios fundamentos dessa fé. Nisto se distingue ela suficientemente, absolutamente, da fé, seja dos antigos ou dos modernos pagãos. Da fé que possui o demônio ela se distingue por isto: não é uma coisa meramente especulativa, racional, um assentimento frio e morto, uma série de idéias que se amontoam na cabeça, mas uma disposição do coração. Por isso diz a Escritura: “Com o coração o homem crê para a justiça”; e: “se tu confessares com tua boca o Senhor Jesus, e creres em teu coração que Deus o levantou dentre os mortos, serás salvo”.
5. Nisto ela difere daquela fé que os próprios apóstolos nutriam enquanto nosso Senhor estava na terra: reconhece a necessidade e os méritos de sua morte e o poder de sua ressurreição. Reconhece sua morte como o único meio suficiente de redimir o homem da morte eterna, e sua ressurreição como a restauração de todos nós à vida e imortalidade, tanto mais que ele “foi entregue por nossos pecados e ressurgiu para nossa justificação”. A fé cristã é, portanto, não só um assentimento a todo o Evangelho de Cristo, mas também plena confiança no sangue de Cristo; confiança nos méritos de sua vida, morte e ressurreição; descanso nele como nossa propiciação e nossa vida, — vida divina que foi dada por nós e vive em nós; e, em conseqüência disto, união com ele, adesão à sua pessoa, coma “nossa sabedoria, justiça, santificação e redenção”, ou, numa palavra, — nossa Salvação. "(A salvação pela fé - John Wesley)
Um verdadeiro filho de Deus tem consciência que:
O ser humano está perdido. Romanos 3.23
A recompensa pelo pecado é a morte. Romanos 6.23
Deus o ama e deu seu filho por amor de toda a humanidade. João 3.16
Jesus Cristo tem poder para perdoar pecados. Marcos 2.10
Jesus Cristo morreu por nós a fim de que sejamos salvos da ira. Romanos 5.8,9
Mesmo tendo Jesus morrido pelos pecados de todos nós, nem todos são perdoados. Ele só perdoa a quem vem até Ele, e faz confição de pecados. Romanos 10.10; João 5.40
Que a salvação é ter sido retirado do reino das trevas para o reino da luz com salvação de pecados. Colossences 1.13,14.
Aqueles que estão em Cristo Jesus não sofrerão condenação. Romanos 8.1
A nova vida em Cristo dá frutos. Romanos 6.22
Quem recusa a Cristo como salvador já está julgado. João 3.18
Somente aqueles que O recebem e crêem no seu nome são filhos de Deus. João 1.12
A salvação é pela graça de Deus e não por obras. Efésios 2.8,9
Somente Jesus Cristo faz mediação entre Deus e os homens. l Timóteo 2.5
Os filhos de Deus devem crescer espiritualmente. II Pedro 3.18
Os filhos de Deus devem proceder corretamente. I Pedro 2.2
O alimento espiritual do filho de Deus é a palavra de Deus

2 comentários:

aeaea disse...

A Fe viva so e viva e eficas quando praticada de todo coraçao se nao ela morta e ultrapassada, pois aquele tem fe em cristo nao duvida da sua plenutide

Renan da Costa disse...

Ótimo site. Belo artigo. Respondi seu comentario lá no blog. Sgue link.

Postar um comentário